Eduardo Paes remaneja R$ 439,5 milhões para despesas com pessoal, 228,8 milhões só da Habitação Social

Prefeito retira recursos de programas essenciais e gera polêmica na Câmara

Eduardo Paes remaneja R$ 439,5 milhões para despesas com pessoal, 228,8 milhões só da Habitação Social

Em uma decisão que promete gerar intensos debates, o prefeito Eduardo Paes (PSD) anunciou o remanejamento de R$ 439,5 milhões de diversos programas de trabalho para cobrir despesas com pessoal. A medida, publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (08), teve como principal alvo a Secretaria de Habitação de Interesse Social, que perdeu R$ 228,8 milhões.

A pasta de Habitação, comandada por Cláudio Caiado (PSD) desde 1º de julho, viu seus principais programas de trabalho, “Produção de Habitação de Interesse Social” e “Urbanização e Regularização Fundiária em AEIS”, serem drasticamente afetados. Caiado, que havia assumido a secretaria com a promessa de acelerar a entrega de títulos de propriedade, agora enfrenta um cenário desafiador.

Impactos em outras secretarias

Além da Habitação, outras secretarias também sofreram cortes significativos. A Secretaria Municipal de Infraestrutura perdeu R$ 93,2 milhões, enquanto as pastas de Conservação e Ação Comunitária tiveram cortes de R$ 71,5 milhões e R$ 45,8 milhões, respectivamente. Esses cortes podem comprometer a execução de projetos essenciais para a cidade.

O vereador Pedro Duarte (Novo), conhecido por sua postura crítica, já se mobilizou para entender melhor os impactos dessa decisão. Duarte está preparando requerimentos de informações que serão enviados tanto à Secretaria de Habitação quanto à Secretaria de Fazenda. “A ideia é entender o porquê de um montante tão grande ir para pagar despesas complementares de pessoal em ano de eleição”, questiona o parlamentar.

Repercussão e questionamentos

A decisão de Eduardo Paes levanta questões sobre a prioridade dada às despesas com pessoal em detrimento de programas sociais e de infraestrutura. Em um ano eleitoral, a movimentação de recursos pode ser vista como uma tentativa de garantir apoio político, mas também pode gerar críticas sobre a gestão dos recursos públicos.

A população, especialmente as comunidades que dependem dos programas de habitação social, pode sentir diretamente os efeitos desses cortes. A entrega de títulos de propriedade, que é uma demanda antiga e crucial para a regularização fundiária, pode ser adiada, gerando frustração e insegurança entre os moradores.

Reflexões sobre a gestão pública

A gestão pública exige um equilíbrio delicado entre diversas necessidades e prioridades. Decisões como essa, que envolvem o remanejamento de grandes quantias de dinheiro, devem ser transparentes e bem justificadas para evitar desconfianças e garantir que os recursos sejam utilizados da melhor maneira possível.

#EduardoPaes #HabitaçãoSocial #ClaudioCaiado #PedroDuarte #CortesOrçamentários #InfraestruturaRJ #ConservaçãoRJ #AçãoComunitária #TransparênciaPública #GestãoResponsável

Por Ultima Hora em 09/07/2024
Aguarde..